ENTREVISTA: Rita Camarneiro



Rita Camarneiro, nascida a 15 de janeiro de 1988, é uma das apresentadoras do 'CC All Stars' da SIC Radical. Foi escuteira e apresenta-se de estatura média baixa. Ambiciona produzir um série e, além do mais, pretende sempre trabalhar no humor e no entretenimento. Conheça com o 'Mais Notícias' a Rita Camarneiro.





Começo por perguntar, quem é a Rita Camarneiro?
Nunca soube responder a essa pergunta, mas tento sempre, sem sucesso. Então, nasci na Figueira da Foz, tenho 29 anos e sou de estatura média baixa. Fui escuteira durante demasiado tempo para o dissociar da minha personalidade e cresci a ouvir a música dos meus irmãos. Gosto de pessoas, no geral, e algumas amo particularmente.



Estudas-te Psicologia, mas acabas-te por ir para a televisão. O porque desta escolha
Foi por acaso. A meio do curso comecei a trabalhar em televisão, no 5 para a meia-noite, estudava enquanto escrevia para o programa. Quando acabei psicologia não havia emprego na minha área, embora tivesse enviado muitos currículos. Foi na televisão que encontrei uma paixão e oportunidade, acabei por tirar um estágio profissional na Academia RTP. 



(Créditos: Facebook Rita Camarneiro)



Também fizeste um curso de stand up comedy. Tinhas ambição de ser humorista
Sim, tinha e tenho, mas deixei de fazer stand-up comedy há alguns anos. Não era boa, por isso desisti. Mas gostava de um dia voltar.



Mais tarde, a tua primeira participação em televisão foi no programa '5 Para a Meia- Noite'. Como correu esta experiência
Correu muito bem, o curso de stand-up comedy acabou por me dar a oportunidade de participar numa rubrica no 5 para e meia-noite de mostra de talentos, o speedbatle, e por ter vencido várias vezes, no final, convidaram-me a escrever para o programa e a dar a cara por algumas rubricas e sketches. Por isso, não podia ter corrido melhor!


No ano de 2013, foste selecionada para apresentar o talk show 'Anti-Social' com o Rui Unas. Que conhecimento tiras deste programa? Que pontos positivos e negativos guardas deste projeto
Trabalho ainda hoje com muitas das pessoas que fizeram o Anti-Social. O Curto-Circuito é feito pela mesma produtora que fazia o Anti-Social, a sigma3. Tive a oportunidade de conhecer muitas e boas pessoas, que ainda hoje me acompanham no trabalho, essa é a grande mais valia. Não houve pontos negativos, aprendo com os erros, e sendo a primeira vez a apresentar é normal que tenha cometido uns quantos. 




(Créditos: A Televisão)



Mas, mais tarde, é a SIC Radical que te "acolhe". Passas-te a apresentar o 'CC All Stars'. Como surgiu o convite? Estavas nervosa? 
Não estava nervosa, porque já conhecia a equipa. E é uma equipa que me põe muito confortável. 



Achas que o 'CC All Stars' é uma verdeira escola? 
Sem dúvida. Ter um espaço na televisão para experimentar, errar, produzir conteúdos e conhecer uma data de pessoas talentosas é raro. Aprendi muito e tenho a consciência que evolui, graças a todo um conjunto de pessoas que me deram essa oportunidade. Tenho e sempre tive um carinho especial pelo Curto-Circuito, ali não há grandes artifícios, aprendemos que podemos ser nós próprios. Identifico-me muito com o programa e vou ter saudades quando dali sair. 



(Créditos: Facebook Rita Camarneiro)



Agora que o CC deixou de ser em directo, na tua perspetiva, o programa mantém o mesmo espírito de antigamente
O espírito mantém-se sempre. Continuamos a comunicar nas redes sociais. Para nós, equipa, é como se fosse em directo, porque não há edição, é chamado o “live on tape” é tudo seguidinho. Não vou mentir, adorava falar com quem ligava para o programa, mas continuamos a ter o mesmo afecto pelas pessoas que acompanham o CC, e continuamos a dar valor à participação online, no twitter, instagram, facebook, estamos em todo o lado! 



Vês-te a continuar no CC por mais anos
Bom, já estou no CC há quase 3 anos, sei que o programa vive também da renovação de apresentadores. Não vou lá ficar para sempre. Gosto muito de lá estar, mas sei que mais cedo ou mais tarde vou sair. 



Maria Botelho Moniz e João Paulo Sousa foram alguns dos apresentadores do 'CC All Stars', que depois mudaram-se para a SIC generalista. Pergunto se esta é uma das tuas vontades
Adoro a Maria e o João, são muito talentosos e acho que são uma grande mais valia para a televisão portuguesa. No meu caso, gostava de trabalhar sempre em humor e entretenimento. Gosto de escrever, apresentar, representar, gosto de desafios, quer seja na radical, internet, generalista ou noutra plataforma qualquer.



Sentes completamente concretizada profissionalmente 
Nunca estou satisfeita, e há muitas coisas que quero fazer ainda. Sentir-me completamente concretizada profissionalmente é algo que quero aos 60, não aos 30. 



(Créditos: Facebook Rita Camarneiro)




Se a tua vida fosse uma música, qual escolhias? Porquê?  
Olha, por alguma razão que desconheço, quando me perguntam qual a música da minha vida vem-me sempre à cabeça a mesma, Sound and Vision de David Bowie. Não tem tanto a ver com a letra mas com a melodia, acho eu. Tem algo de doce e trágico, é alegre e triste ao mesmo tempo. É uma música que parece não ter final. Se calhar é assim que gosto de ver a vida, sem fim.  



Falando agora sobre o teu futuro. Que projectos tens agendados
O curto-circuito está numa nova fase, com novos e bons apresentadores, e eu estou a gostar de ser uma espécie de irmã mais velha. Mas quero produzir coisas novas. Neste momento estou focada nisso também. Sempre quis escrever uma série. Uma vontade que se mantém. 




'MAIS NOTÍCIAS' ENTREVISTA - Edição 5
Convidado: Rita Camarneiro
Entrevistador: Tiago Ferreira
Produção: Tiago Ferreira
Mais Notícias 2017
 

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.